sábado, 30 de outubro de 2010

Introspecção



Introspecção



Não ha nada dentro de mim.
Não sei o que devo descobrir.
Também não sei com que me envolver.
É como se o meu coração fosse uma rosa e eu estivesse agachada diante dele...contemplando-o.
Eu? É um pronome, ao qual não devo nada.
Quem sou, para dizer o que procurar?
Todo reflexo que me vem, é nesse reflexo que desejo sentir como reagir.
O que vier ao meu encontro, me dará noção de reação, e, a reação dará o reconhecimento de
mim, no "por enquanto"...
E porque se preocupar tanto comigo?
Tudo que está ao meu redor é para não ver, não ouvir, não sentir...
Deixar que o Coração Egipcio "IB", o "Intuitivo", dê orientação ao meu Espirito, e que o Coração Egipcio Hati, o Subconsciente, por enquanto, seja a Alma do meu Espirito.
clarisse

Um comentário:

Hocus - Produções Culturais disse...

Bacana.

O sentido introspectivo deste poema, seria bom se todos tivessem um tempo pra si, pq isso é necessário.

Valeu, por escrever isso.

Parabéns.